Como eu descobri ser autista


Uma pergunta que sempre ouço é: Como você descobriu que é autista?
E por ser uma resposta complexa, como tudo no Transtorno do Espectro Autista (TEA), resolvi fazer esta postagem explicando.
A suspeita de que eu fosse autista, iniciou após meu filho ser diagnosticado no Espectro, e eu começar a ler alguns relatos de pais que descobriram que também eram autistas já adultos, após o diagnóstico de seus filhos. Então comecei a me aprofundar sobre o assunto, a estudar testes para crianças e analisar se eu agia assim na infância, além das explicações médicas sobre o meu filho. Inclusive um dos fatores que contribuiu para minha relutância em aceitar o diagnóstico do meu filho é que os comportamentos que eram apontados como do espectro eu considerava normal e ainda pensava comigo, "ora, isto é normal, eu também sou assim". Até que chegou um ponto que me questionei: são realmente atitudes " normais" ou será que eu também sou autista? Comecei a analisar minha vida, o que sentia e rever minha infância através do conteúdo médico sobre autismo.
Neste momento descobri que também sou parte desse mundo azul, e o mais incrível é que fiquei feliz e aliviada. Pela primeira vez em 29 anos me senti parte de algo, senti que tenho um lugar no mundo, e que existem outras pessoas como eu. Foi libertador, o sentimento de culpa por não me enquadrar nos padrões da sociedade se dissipou. Porque agora sei que vejo e sinto o mundo diferente das outras pessoas, entendo melhor minhas limitações, aprendi a administrar melhor os efeitos dos estímulos, porque agora entendo como as coisas ao meu redor podem me afetar. E passei a falar sem medo do que sinto e vejo, porque sei que pode ajudar outras pessoas no Espectro. Embora o preconceito e a hipocrisia das pessoas tem ficado cada vez mais nítido, inclusive, entre aqueles que se dizem defensores da causa.
Não me culpo, nem me cobro mais se hoje eu não conseguir comer aquele alimento, é que neste dia meu paladar está mais sensível, não é frescura. Se ontem até os menores ruídos me causavam dor, hoje talvez a música alta não me afete. Assim estou lidando melhor com tudo a minha volta.
Sei que esta sucinta postagem não explica, principalmente para quem já me conhece há algum tempo, como sou autista. Por isto, irei escrever outros posts sobre os sintomas do autismo e como eles afetam nossa vida. Espero conseguir elucidar algumas dúvidas e contribuir com outras famílias.
Beijos azuis :*


Vencendo a Depressão - Sono


Medidas Para Dormir Melhor

1. Vá para a cama e acorde na mesma hora todos os dias.
Programar seu corpo pode ajudar a regular o ciclo de sono. Evite dormir tarde nos fins de semana para manter a sua programação consistente, tornando mais fácil acordar às segundas-feiras.

2. Relaxar antes de dormir.
Um banho morno, ler, ouvir música suave ou meditar pode ajudá-lo a relaxar e prepara-lo para dormir. Se você sente necessidade de se programar para o dia seguinte, faça uma lista das coisas a serem realizadas no dia seguinte antes de ir para a cama.

3. Usar luz natural.
Evite luzes brilhantes antes de ir dormir. Acorde com o sol, se possível. Passe algum tempo na luz solar natural durante as horas de vigília. Se você não pode acordar com o sol, acenda as luzes quando se levantar.

4. Mantenha-se ativo diariamente.
Tente se exercitar ou fazer algum tipo de atividade física por 20-30 minutos cada dia. Mas não realize muito perto da hora de dormir. O ideal é exercitar-se de três a seis horas antes de ir para a cama.

5. Faça alguma coisa.
Não fique na cama acordado por mais de 15 minutos. Isso pode deixá-lo ansioso e piorar a insônia. Leia ou faça outra atividade tranquila até você se sentir cansado.

6. Mantenha seu quarto confortável.
Se a temperatura no seu quarto é muito quente ou muito fria, ela pode atrapalhar seu sono. Faça um esforço para limitar o ruído, você pode usar fones específicos se necessário. Tenha certeza que seu quarto é escuro o suficiente. Você pode precisar de cortinas pesadas ou uma máscara de dormir. Se um animal de estimação ou um parceiro o mantém acordado, faça o que puder para ajudar a mudar seus hábitos.

7. Faça um inventário.
Manter o registro de controle de seu sono, quanto tempo você leva para dormir, quanto tempo dorme, quando você acorda, e outras coisas que estão acontecendo em sua vida, pode ajudá-lo. Se notar algum padrão poderá informar seu médico.

8. Tente não cochilar durante o dia.
Se você fizer isso, tente manter seus cochilos por menos de 30 minutos.

9. Use sua cama apenas para dormir e intimidade.
Escolha um lugar que não seja sua cama para assistir TV, comer, fazer a papelada, e falar ao telefone. 

Traduzido e adaptado por Ana Paula França

Poema desestruturado


A estrutura em avesso
Desconectada do esteio
Entrou em retrocesso
Espalhando-se pelo meio

Qual figura distorcida
Desprovida de encanto
Submersa em um pranto
Dos desformes desta vida

Desfigurada e torcida
Tenta levantar-se
Sem equilibrar-se
Desentoa e desafina

E isto se repete
Todos os dias assim
Quiçá haverá a hora
Da estrutura seu fim


Poema: Preconceito à depressão


Não julgue minha dor
Não julgue minha doença
Não me acuse por não estar bem
Eu não acordo feliz
Eu não levanto motivada
Aliás, levantar por si só
É uma batalha travada todos os dias

Talvez um passo meu valha mais
Que um quilômetro de sua caminhada
Preconceituosa e vazia
Se levanto é porque sou muito forte,
Se você estivesse em meu lugar
Se quer moveria os lábios
Do alto de sua hipocrisia mal encenada
É impossível amar alguém

Um suicida só vive
Porque há muito amor dentro dele
E trocando em miúdos
Não troco minha batalha diária
Regada de dor, amor, conquistas, perdas
Vitórias, derrotas, tropeços e recomeços
Por sua vida pseudoperfeita
Preenchida de hipocrisia e egocentrismo

Quando me ver sorrindo
Não é porque estou bem
É porque estou lutando
Quando me ver caminhar
Não é porque estou curada
É porque juntei forças a semana inteira
Para sair da cama ao menos por um dia

Se sinto e se me prosto
É porque sou humana, sou real
Eu vivo a vida ao invés de encena-la
Minha história e meu legado
Serão muito verdejantes
Porque foram regados com lágrimas de sinceridade

Ana Paula França, Cuiabá, Inverno de 2017

Profissão? Mãe de Autista


Esta deveria ser a resposta de toda mãe que tem um(a) filho(a) autista. Afinal, é tão desafiador como qualquer profissão. Ser mãe é uma dádiva e um desafio diário. Mas ser mãe de autista deveria ser título profissional. E não há nenhum exagero nisto. Especialmente para aquelas mulheres que não possuem parentes ou outras pessoas para darem suporte. No meu caso, somos eu e meu esposo. É extramente difícil conseguirmos um tempo pra nós, já que nos mudamos recentemente, e não temos familiares na cidade.
O autista vê e interage com o mundo de uma forma pessoal e diferente. Entendê-lo é um desafio, especialmente no nosso caso, em que nosso filho tem apenas três anos de idade e ainda não é verbal (não se expressa com palavras). Nos esforçamos para compreender seus gestos e gritos. É uma tortura para ele e para nós.
Nesse turbilhão, a mãe, como figura principal, fica presa a rotinas e compromissos que tornem a vida de seu filho menos difícil. Nisto se vai sua autoestima, o tempo para cuidar de si mesma, para se amar, e vive de doação, se doando 24 horas por dia, 7 dias por semana para este pequeno ser que não entende a sociedade que o cerca, e que o rejeita por não se encaixar em seus moldes.
Para entender este mundo peculiar nos tornamos psicopedagogas, para oferecer alimentos nutritivos considerando suas restrições alimentares nos tornamos nutricionistas, para entender a sensibilidade de sua pele com uso de roupas e calçados nos tornamos estilistas, para decifrar seus balbucios nos tornamos fonoaudiólogas, médicas, enfermeiras, e tudo mais que seu mundo exigir.
E apesar de cansativo, é opcional, é o amor que nos faz levantar todos os dias com o mesmo objetivo: contribuir para que sejam felizes, conseguindo ou não vencer suas dificuldades, sendo aceitos ou não, sempre com amor, paciência, resiliência e esperança. Não há diplomas, faculdades ou qualquer outra coisa que nos capacite a ser mães de autista.
Mas há uma pessoa que sabia que seriamos capazes de tão grandioso e recompensador desafio, antes mesmo de virmos a este mundo, Ele sabia, que eu e você, contrariando as opiniões alheias seríamos capazes. E nos resta dizer: obrigada Deus por acreditar em mim!